terça-feira, setembro 30

Sobre Ratos, Aranhas e Baratas



ISSÁÁÁÁ!!!!

Pegamos mais um cadastro. É a grana que faltava para a ilha. Cadastro é assim :
O arquiteto para fazer o projeto de reforma ou construção precisa
De uma planta baixa do lugar. Aí nós entramos. Medimos tudo e desenhamos.
Depois é só fazer a planta com o programa “AUTOCAD” e finito! Pegar a grana.
Na verdade, quem deveria pegar estes “trampos”, seria o estudante de arquitetura
Mas como eles são bichas demais pra botar a mão na massa, a gente agradece hehe.
Parece ser um trabalho de sacana, eu sei, mas vale a pena sim.
A grana é boa e o trampo é rápido.
(exceto qdo vc pega o lugar em ruínas como pegamos da última vez. Aranhas, baratas e ratos no pacote)
Na noite depois desse cadastro fiquei pensando muito sobre ratos, Aranhas e baratas.

Atores mais velhos são como aranhas.

Eles tecem a atuação deles. Fio a fio.
Constroem suas personagens e te pegam como moscas
Com requinte e explodindo de tempo em tempo como o sol nas suas erupções.
No set, várias vezes me senti como um planeta que recebe esses raios solares.
Como na hora em que Deusi terminou a maquiagem e veio me mostrar
( Nossa maquiadora deu um cano) :

Deusi : Era assim que vc queria?

Incrível, ela não só me perguntava como atriz,
já estava com pés e mãos adentrando no corpo frágil de sua personagem.
Frágil pq pouco tem escrito sobre essa persona no roteiro.
Percebi que Deusi em sua atuação tateava o que podia entre as câmeras ligadas,
os cigarros acesos e a cama/espelhos do Motel.
Qdo ela ficou de calcinha então, fiquei ainda mais emocionado.
(Tá, eu sou um pervertido, mas não foi por isso)
Pela primeira vez o que tinha escrito estava se materializando e era lindo.
Visivelmente era uma mulher madura com um belíssimo corpo.
Não fica claro pq se deixa dominar por esse macho.
Mesmo qdo ela tinha de mostrar para Celo como ele tinha de pegá-la
(Hômi froxo da zorra),
sempre que a câmera ligava ela tinha aquele ar submissa. Perfeito!

Com Makários foi ainda mais engraçado.
O cabra é um mestre, no sentido mais literal desta premissa.
Celo saiu de nosso primeiro encontro e nos confidenciou :
Como é que eu dirijo Makários?
Eu só ri, já sabia que seria uma delícia. E assim foi.
Assim que ele chegou lá, lascou:

Makários : Estou com uma dúvida crucial. Este homem olha essa foto triste e decepcionado pelo que passou. Ou apenas vê a foto e tem o sentimento?

Logo que ele falou “dúvida crucial” eu gelei, pensei : Pronto, fudeu!!!
Depois disso ele vai dizer que não dá pra fazer. Sorte que não era...
Daí ele foi trocar de roupa enquanto arrumávamos o set. Voltou já concentrado, pronto para balançar naquela cadeira que não fazia zuada.
A luz ficou bacana e o clima sóbrio pairava até o primeiro movimento de braço dele.
Pegamos aquilo. Depois ele começou a cantar.
Celo logo percebeu e pediu para ele cantar enquanto filmávamos
Caímos na teia do velho mestre jagunço.
Assim ele nos conduziu e foi fácil de mais fazer a cena com essa “aranha”.

Atores mais novos são como baratas.

Eles correm prum lado e pro outro, te perguntam tudo.
São os mais difíceis de domar e entender.
Bote uma luz na cara deles e eles logo reclamam
Tá calor!!! Debatem e dizem que vão arrancar o figurino.
Se desse uma bomba atômica só aquelas baratinhas sobreviveriam. Cada um com seu jeito.
O Lui Super-man e sua hiperatividade. O Yan e o fantoche, sempre o mais atento.
O Dudu, menino velho, mais preocupado em jogar futebol do que ser ator, ficou ótimo!
E o protagonista Theus, esse tinha 14 anos, de tão atarracado nem fazia diferença.
Só percebi que erramos um pouco de como agimos com os meninos, depois que filmamos com os mais velhos e depois de ver as fitas. Acabamos engessando muito a atuação deles.
Mas tudo bem, já pensei nas soluções de edição e tbm combina com os personagens estranhos. Mas se pudesse fazer de novo os deixaria mais livres. Mais crianças.
Marcaria um pouco mais tarde no Set. Para eles não cansarem...
Bem, terei essa chance na Ilha. Vou aproveitar!
Tbm precisaremos tomar cuidado com a diferença de resposta entre Theus e os outros.
Por ser mais velho, Theus reage de maneira menos simétrica qto aos outros.
Bem, já fiz a "listinha" de desafios a resolver lá na ilha.

Atores adolescentes são como ratos.

Espreitam... Saem de suas tocas com toda energia assim que ouvem : AçÃO!
Como se corressem atrás de um pão. Temendo os pés humanos mas indo em frente.
Mas não são muito bons em diferenciar a comida envenenada da comida boa.
Caímos com facilidade em ratoeiras. Digo Caímos, pq tbm atuei.
Eu, Celo, Beca (ainda irá), Genifer, Rayara, Alana e Suzanne. Essa última, uma francesa.
A madame Puta Chefa. Sim, teremos uma frase em francês. Vou fazer suspense do q é!
Essa cena foi incrementada 2 dias antes de filmarmos
E este episódio que lhes conto agora ilustra muito bem o que são os atores ratos.
Metendo-se em qquer buraco! Criando espaços!
A menina Rayara me mandou um Shlap de iakult perguntando sobre o filme
(já tínhamos conversado e ela visto fotos)
Fiquei tão feliz e orgulhoso do trabalho ter repercutido em alguém tão sensível qto ela.

A DAMA DO CINEMA : Todo se achando!!

Fiquei tentado a escrever mais uma cena e assim foi. Graças. Ficou lindíssima.
Rayara é uma menina incrível. Vem sendo a queridinha da galera de cinema.
Já protagonizou outro curta e sempre faz participações.
Fora isso, tem a história mais linda e maluca que conheço...
Retiro o que disse, não fui eu quem criei a cena.
Ela...Elas as menina putas foram quem, como bons ratos, criaram um caminho maravilhoso dentro do Derby Jazz.

Acho que essa minha comparação ficou muito doida...
Mas tbm, quem disse que esse pessoal que trabalha com atuação é certo?
De certo que são errados
De certo que eu os amo
Tortos como eu

Um comentário:

Su disse...

Depois de puta você me trata de rato é?!